Crítica - Abracadabra 2


Respeitar a história vem sendo um dever cumprido com uma frequência mais constante no meio cinematográfico estadunidense. Um Príncipe Em Nova York, Top Gun, entre alguns exemplos, são amostras de que é possível resgatar um clássico e melhorá-lo (apesar de achar que é um pouco demais aceitar a ideia de que Top Gun Maverick está na corrida do Oscar).


Sendo mais um da série "Sequências de filmes que ninguém pediu", o papai Disney trouxe Abracadabra 2. O objetivo é claro: fazer um filme sobre temática de Halloween leve, com grande elenco e sem medo de repetir uma fórmula que funcionou 29 anos atrás. Além disso, há a intenção de fazer algo adaptado para nossos dias e trazer mensagens que a gente gostaria de transmitir ao passado se tivéssemos uma máquina do tempo. Um modus operandi existente na grande maioria de sequências. Falamos isso em episódio de podcast, inclusive.


Com o êxito similar aos filmes anteriormente citados, Abracadabra 2 é um longa pra quem gosta de produções do tipo. Eu assisti a trama de 1993 na Sessão da Tarde e ele era figurinha carimbada em todo final de outubro na TV. Terminei de ver sua sequência satisfeito com o que passou na tela, embora sinta uma leve tristeza porque perderam uma grande chance de chamar esse novo filme de Alakazam.


A ideia do filme é idêntica ao que se fez em 1993: As irmãs Sanderson ganham a chance de voltar a Salem e tem até o amanhecer para se tornarem imortais. As tramas paralelas são diferentes e tem as famosas lições de moral que ficam implícitas, mas são fáceis de captar. Temos um trio afiadíssimo e bem sinérgico, composto pelas atrizes Whitney Peak, Belissa Escobedo e Lilia Buckingham. Essas são as adolescentes que são ótimas coadjuvantes desse longa. Não sei se haverá um Abracadabra 3, mas meio que houve uma passagem de bastão e foi bonito. Falar da qualidade das protagonistas é chover no molhado.


Aqui temos uma sequência bem feita, que pode ser considerada melhor do que o original, muito pelas mensagens trazidas. Abracadabra 2 é um filme leve, divertido, inclusivo, entre muitos outros adjetivos positivos. Dessa nova leva de filmes que ninguém pediu, eu pedi Um Príncipe em Nova York 2 e continua meu favorito. Entretanto Abracadabra 2 vai ter uma nota boa.


Nota: 4 acarajés