Crítica - Amor Sem Medida

Se tem uma coisa que o brasileiro sabe ser é engraçado, mas será mesmo?


A nova comédia romântica nacional da Netflix é um remake do longa metragem argentino Corazón de Leon de 2013 que narra a história de Ivana (Juliana Paes) que se apaixona por um homem com nanismo Ricardo Leão (Leandro Hassum) e que tem que enfrentar diversas formas de preconceito com seu relacionamento, principalmente com sua família.


A premissa do filme é até interessante mas infelizmente existem algumas falhas que não conseguiram passar despercebidas e nem conseguiram ser superadas ao longo do caminhar da narrativa. Inicialmente o tempo dos acontecimentos é muito mais rápido do que o esperado. É como se estivéssemos assistindo algo na velocidade 1.5x. Em seguida, outro exemplo de dificuldade visual para acompanhar a história é o efeito especial para transformar o Leandro Hassum numa pessoa com nanismo. Como é de conhecimento público, o comediante e ator mede 1,80m e o produto final não ficou nada convincente e até um pouco incômodo para o telespectador.



Quando analisamos o fator comédia, obtemos um conjunto de clichês que funcionam de um modo geral, o humor burlesco utilizado em algumas cenas específicas acabam não funcionando muito bem e o que mais tira risadas do telespectador é o ator principal que com seus trejeitos específicos traz a vida para esse sentido.


De uma maneira geral, Amor Sem Medida é um filme para se assistir sem pretensões de algo além de um clichê caricato, um filme de final de domingo que tinha potencial para algo divertido.


Nota: 2 acarajés


Ficha Técnica: Amor sem Medida (Original Netflix)


Título Original: Amor sem Medida

Duração: 94 minutos

Ano produção: 2021

Estreia: 18 de novembro de 2021

Distribuidora: Netflix

Dirigido por: Alê McHaddo

Classificação: 14 anos

Gênero: Comédia, Romance