Crítica - Free Guy: Assumindo o Controle

Atualizado: 11 de ago. de 2021



Imaginem por um momento viver num ciclo diário e completamente tedioso mesmo quando tudo ao seu redor vive no mais perfeito caos.


Guy (Ryan Reynolds) é um caixa de banco que vive, na mais que absurdamente caótica cidade de Free City, e que se vê preso - quase que completamente absorto - na sua rotina inteiramente tediosa, até que ele se apaixona pela Molotov Girl (Jodie Comer) e descobre que é um NPC (non-player character ou Personagem não-jogável) em um jogo extremamente violento de mundo aberto e que ele é a única esperança de salvar esse paraíso em que vive.


Free Guy é um filme que surpreende em alguns pontos, como por exemplo: a sua total aceitação de si mesmo, como um filme de comedia que não tem medo de ser completamente vergonhoso em algumas cenas, o que bem convenhamos, é mais que típico do Reynolds. Mas não se enganem o filme é genuinamente engraçado em sua maior parte, atendendo e apelando para vários os tipos de estereótipos e referencias dos mundos dos jogos e de alguns filmes.


O enredo, apesar de não tão complexo assim, debate alguns temas de relevância notável, tal como a felicidade nas pequenas coisas como ajudar um amigo a passar por um momento complicado, passar o dia massacrando NPCs pela cidade ou, pura e simplesmente, a boa sensação de ser amado só por ser um Good Guy. Ou sobre o fato de que não dá pra viver (pelo menos ainda não) num mundo virtual, e que você querendo ou não é o Main Character da sua vida. E mesmo sabendo que as suas mãos estão manchadas com o sangue de milhares senão milhões de NPCs (Eu Sei O Que Você Fez Na Última Vez Em Jogou GTA), você ainda pode se reinventar-se e ser o mocinho.


A produção conta uma trilha sonora magnífica - cortesia do Christopher Beck - com musicas que vão grudar na sua cabeça feito chiclete novo em cabelo velho. E com uma tonelada de referencias que vão te pegar nos detalhes mais sórdidos possíveis. Outra coisa louvável é a mais que visível inspiração em filmes como Pixels e Jogador Nº1. Além da riqueza de detalhes, o uso de alguns youtubers e streamers da vida real e atenção aos efeitos especiais que enriquecem demais a atmosfera do filme.


Free Guy é um filme que abraça a sua própria ideia, o que o faz ser consciente ao melhor estilo Sonny (o robô, não a empresa) e extremamente justo consigo mesmo, o que por fim o faz entregar não uma boa experiência, mas sim uma ótima experiência.


Frase de efeito.


Nota: 4 acarajés


Ficha técnica:


Título original do filme: Free Guy

Direção: Shaw Levy

Estreia: 19/08/2021

País: EUA

Gênero: Comédia/Ação

Ano: 2021

Duração: 115 minutos