Crítica - Intrusion


E se uma invasão a sua casa dos sonhos for o menor dos seus problemas?


O mais novo longa de suspense da Netflix nos imerge na vida pacata e aparentemente perfeita do casal Henry (Logan Marshall Green) e Meera (Freida Pinto), que estão iniciando um novo capítulo em suas vidas longe da conturbada Boston. Após se mudarem da Costa Leste para um clima muito mais calmo e árido na cidade de Corrales, no Novo México.

Após uma noite em que a residência foi invadida, deixando a Meera extremamente abalada e inquieta, a mesma se propõe a fazer a sua própria investigação para saber o que de fato aconteceu e o que realmente motivou a invasão. Com o passar do tempo, acaba percebendo que existem mais segredos sobre o seu casamento do que ela pensava.

O longa entrega uma trama com um ritmo razoável, mas é necessário dizer que o que mais se destaca neste filme com certeza é a direção, que apesar do roteiro fraco, entrega momentos competentes de tensão, fotografia, um bom jogo de câmeras que se atenta propositalmente a determinados detalhes que enriquecem um pouco a experiência do longa. Embora seja necessário comentar que a trama avança de um jeito extremamente previsível. E mesmo com a adição contínua de novas pistas, além da não interpretação total do quadro geral, não é necessário ser um Sherlock Holmes para prever o fim da trama.


Final esse que é fraco, não só por sua previsibilidade, mas também pelo seu baixo impacto, tanto nos telespectadores quanto para a própria trama que, nos seus momentos finais, apenas se resume num jogo pífio, clássico e já quase saturado de gato e rato.


Nota: 2 acarajés


Ficha técnica:


Título original do filme: Intrusion

Direção: ADAM SALKY

Direção de arte: MATT HAYLAND

Produção: Chris Sparling, Kyle Benn, Alexandra Milchan, Russel Hollander, Josh Weinstock, Matthew Myers

Plataforma: Netflix

Estreia: 22/09/2021

País: EUA

Gênero: Suspense

Ano: 2021

Duração: 1h33min

Classificação: 14 anos