Crítica - Licorice Pizza



Num texto crítico, é sempre importante a gente fazer uma introdução sobre o que a gente aborda, depois fazer uns dois ou três parágrafos falando melhor do tema e terminar com uma conclusão fazendo as considerações finais dando um arremate sobre o que foi dito. Entretanto, é comum ocorrer uma dificuldade de fazer introduções boas, principalmente em casos como eu, agora, ao escrever sobre Licorice Pizza. "Mas por que essa dificuldade, Zuquinho?" É que eu estou prestes a falar bem de um filme que me deixou frustrado.


Licorice Pizza traz a história de Alana (Alana Haim), irmã de Este (Este Haim) e Danielle (Danielle Haim), e sua amizade com Gary (Cooper Hoffman), que tem um crush na Alana. Alana tem 25 anos de idade, Gary tem 15 e grande parte da história se desenrola em cima disso - Aqui eu poderia lhe convidar a um exercício de inverter os gêneros de Alana e Gary, para lhe mostrar que isso é problemático tal qual "ela era de Leão e ele tinha 16", mas vou deixar passar e focar na parte técnica da coisa -. Além dessa trama, ocorre outras em paralelo que acabam fortalecendo a relação da dupla protagonista, com uma boa parte de muito bom humor e piadas no meio.


O roteiro consegue mostrar um contraste legal entre Alana e Gary. Ela também vira amiga dos amigos adolescentes de Gary e vive altas aventuras dignas de Sessão da Tarde, enquanto tem umas questões da vida adulta mal resolvidas. Ele também tá nessas aventuras da Sessão da Tarde, mas por ser ator na empresa atuação implica em ter que lidar com o fato de trabalhar desde cedo e, a partir daí, começa a mostrar as facetas de ser um jovem empreendedor e sempre ficar atento as novas oportunidades de mercado. Durante o filme, apenas a dupla recebem uma profundidade, meio que proposital.


Alana Haim e Cooper Hoffman tem uma boa química, boas atuações e isso é compreensível pelo fato de terem seu primeiro grande trabalho nas telonas agora. As aparições de Sean Penn e Bradley Cooper, bem envolvidos na boa ambientação dos anos 70 trazida no longa, são muito boas e cumprem bem o seu papel para o desenrolar da trama. Destaque pra boa sacada de Bradley Cooper interpretar Jon Peters, ator de uma das quinze versões de Nasce Uma Estrela. O resto é esquecível.


"Ok, Zuquinho? Por que você está tão frustrado com o filme?" Reparem que quase tudo que falei foi bom, mas nada ótimo ou excelente. Licorice Pizza está indicado ao Oscar de Melhor Filme, Melhor Roteiro Original e Melhor Direção para Paul Thomas Anderson e o filme é mediano demais para ter essa pompa e circunstância. Se esse filme fosse lançado na Netflix por um diretor qualquer, não teria essa grife toda, eu enxergaria com outros olhos e, talvez, ganharia 4 acarajés, pelo menos. Como se trata de filme de Oscar, o sarrafo é mais alto e um disco da Haim, banda composta pelas irmãs Alana, Este e Danielle Haim, é bem melhor.


Nota: 3 acarajés


Ficha Técnica


Nome: Licorice Pizza

Roteiro, Direção e Produção: Paul Thomas Anderson

Gênero: Drama com humor e piadas

Elenco: Alana Haim, Cooper Hoffman. Sean Penn, Bradley Cooper e John C. Reilly aparecem uma hora. O resto é irrelevante.

Duração: 2h13min

Distribuição: Universal Studios