Crítica - Minari: Em Busca da Felicidade

Minari - Em Busca da Felicidade (2020) é um dos filmes mais bem avaliados pela crítica e isso é um fato, indicado para mais de 10 prêmios diferentes. Mas o que dizer sobre uma obra tão importante, que demonstra nas sutilezas as relações de uma família que tenta se (re)construir em suas feridas e mágoas, ao mesmo tempo que nos dá um panorama histórico da década de 80 nos Estados Unidos, com o recorte específico em uma família coreana?


O filme acompanha a vida de uma família de imigrantes depois de uma mudança radical, onde o patriarca se vê sonhando com a independência e até mesmo a fortuna enquanto o restante da família tenta se adaptar à nova realidade e os atritos que chegam com ela, ao mesmo tempo aderindo à presença de uma avó nada convencional.


Minari não é um filme simples de ser engolido, apesar de sua premissa nada complicada e possui atuações de tirar o fôlego, com Steven Yeun (Jacob) e Ye-Ri Han (Monica) entregando absolutamente tudo de si, dando vida à uma relação que beira o fim, mas ao mesmo tempo se reinventa no apoio aos sonhos individuais de cada um e seus desejos pessoais. Assistir a Minari é como espiar a vida de alguém, você se sente parte daquele universo de maneira tão íntima quanto possível.


O longa é como uma homenagem à cultura coreana também, trazendo traços bonitos nesse aspecto, desde temperos a mescla de inglês e coreano que acontece durante os muitos diálogos, mostrando essa dualidade que faz parte de quem é mergulhado numa cultura e se apropria dela da melhor forma que pode. Fora isso, Minari ainda consegue pincelar, mesmo que de maneira sutil, aspectos sérios como religião, fanatismo e preconceito, tudo de forma a parecer natural e não forçado, afinal, são vidas cujo estamos tendo um leve olhar.


Acredito que esse longa seja um marco, bem como a série Round 6 (2021) e, antes dela, o filme Parasita (2019), que mudaram a percepção relacionada a arte feita por atores e atrizes parte de minorias asiáticas, onde cada vez mais se pode notar uma valorização da produção, seja em parceria norte americana ou não. Enfim, Minari é uma obra de arte, seja por sua trilha sonora que te tranquiliza e te prepara para as cenas seguintes, seja por suas imagens bem enquadradas e cores pouco ousadas.


Nota: 4 acarajés.


Ficha Técnica


Título Original: Minari

Ano: 2020

Duração: 116 minutos

Direção: Lee Isaac Chung

Roteiro: Lee Isaac Chung

Trilha Sonora: Emile Mosseri

Produção: Dede Gardner, Jeremy Kleiner, Joshua Bachove, Steven Yeun, Brad Pitt

Distribuição: Gustave Shaïmi

Elenco: Steven Yeun, Ye-Ri Han, Alan S. Kim, Yuh-Jung Youn, Will Patton, Scott Haze, Laurie Cummings, Chloe Lee

Gênero: Drama