Crítica - Minions 2: A Origem de Gru

Recheado de referências e uma comédia bem preocupada com os detalhes, Minions 2: A Origem de Gru chega com uma excelente proposta de divertimento pra família.

Kevin, Bob e Stuart (sim, os Minions têm nome caso você se esquecido) retornam sob a tutela do mais novo aspirante a super vilão, o “Mini Chefe” Gru (Steve Carell) que, após a “aposentadoria” forçada do seu vilão favorito William Kobra, consegue sua tão sonhada chance de entrar no lendário grupo de super vilões Sexteto Sinistro (Vicious 6).


Mantendo a mesma receita de comédia e com um forte uso de referências dos anos 70 e 80, o longa embala numa leve e extremamente agradável trama que diverte muito e reverencia vários artistas e te bombardeia pequenos detalhes que te apresenta ou te lembra da existência de várias personalidades da época como Peter Frampton ("Ooh baby! I love your way… Everyday"), Linda Ronstadt, Kiss, Ramones, entre muitos outros.


Mas como nem tudo são flores e a vida não é um morango, com o forte investimento em dividir os holofotes do nosso malvado favorito e transformar os nossos ajudantes indestrutíveis em catalisadores principais da trama, acabamos colocando os protagonistas em tamanho destaque que todo o resto é esquecível ou até sem graça. Nada que funciona fora do núcleo dos nossos três minions favoritos é muito interessante e digno de atenção redobrada, mesmo que se trate da ascensão e aprendizado do nosso Mini Chefe. Ainda assim, a atenção aos detalhes torna todo o filme uma excelente pedida para divertimento a curto prazo e rende bem mais que uma ou duas gargalhadas.


“Sou mal e isso é bom, nunca serei bom e isso não é mal”.

#VillainPride


Nota: 4 Bananas com vitamina de Banana e de sobremesa uma Banana Split.


Ficha técnica:


Título original do filme: Minions: Rise Of Gru

Direção: Kyle Balda, Pierre Coffin

Estreia: 16/07/2022

País: EUA

Gênero: Animação, Aventura, Comédia, Família

Ano: 2022

Classificação: Livre