Crítica - Moonfall: Ameaça Lunar

Atualizado: 10 de fev.

O mundo está enfrentando sua maior ameaça… E você é um dos que podem fazer algo para salvá-lo, mas… Você estaria disposto a arriscar tudo por isso?


A convite da Diamond Films, este que vos escreve foi assistir a Moonfall: Ameaça Lunar, do mesmo de diretor de Independence Day, O Dia Depois de Amanhã e 2012, Roland Emmerich. Como o diretor é extremamente competente com filmes de desastre natural e sci-fi, fui ao cinema já esperando um filme muito bom e simplesmente foi divertido assistir ao que passava na telona.

A trama se passa ao redor de uma ameaça que é detectada quando a NASA verifica que a lua está saindo da sua órbita original e, assim, chegando cada vez mais perto da Terra, representando perigo para toda a humanidade, pois isso pode causar inúmeros desastres e a extinção dos humanos, eventualmente. Porém, um faxineiro chamado KC Houseman (John Bradley) que as horas vagas é um notório megaestruturista (quem estuda que planetas e satélites naturais podem ser na verdade megaestruturas feitas por aliens) descobre bem antes da NASA sobre a situação da lua e tentava se comunicar com a agência espacial sem sucesso, afinal quem vai ouvir um faxineiro falando que a lua estava “caindo”, não é mesmo? Mas Brian Harper (Patrick Wilson) acredita. Harper é um astronauta desacreditado, que foi culpado por uma missão mal sucedida da NASA anos atrás ter resultado na morte de um dos seus companheiros, mesmo com ele tentando explicar que tinha sido um tipo de entidade senciente que tinha os atacado. Nem mesmo sua companheira de missão e atual diretora da NASA Jocinda Fowler (Halle Berry) foi capaz de convencer a todos, pois ela estava desacordada durante o ataque. Agora Jo Fowler tenta tudo ao seu alcance para evitar a iminente queda da lua e recorre a ajuda do seu antigo companheiro de equipe Brian e seu novo amigo KC, visto que tudo indica que aquela entidade está por trás de tudo que está acontecendo.


Citado o plot principal do filme, aqui vão minhas considerações. Todos os efeitos e computação gráfica utilizados são de cair o queixo de tão bem feitas e satisfatórias de assistir, simplesmente um deleite para os entusiastas de efeitos visuais. O personagem do John Bradley é muito bem acertado e uma das melhores atuações aqui, sendo uma mistura de um gênio muito exótico com o alívio cômico do filme e fazendo com que o assunto que está sendo abordado não seja sério ou super expositivo, trazendo dinâmica ao filme. Além disso, temos também uma subtrama que, apesar de ser cheia de clichês, é até satisfatória mas não espere muito dela. O twist do último ato do filme é deveras interessante mesmo sendo meio previsível quando você chega até esse ponto do filme.


Como nem tudo são flores temos também uns pontos negativos como a parte “científica” do filme que faria vários estudantes de astrofísica arrancarem seus cabelos na mesma hora (mas é um filme do mesmo criador de Independence Day, era o esperado hahaha), a atuação da Halle Berry que poderia ser bem melhor principalmente nos momentos de tensão e emoção do filme, diálogos que poderiam ser bem melhor escritos podendo assim passar uma melhor impressão ao telespectador, o ritmo dos acontecimentos do filme também poderia ser bem melhor estruturado pois a subtrama do filme dá a ideia de “eu já assisti algo assim” e que provavelmente seria um filme do próprio Emmerich.

Mas segura as pontas aí: o filme não é ruim não! Ele na verdade é muito divertido e te entretém durante as suas 2 horas de duração apesar de todos os pontos negativos, pois você se vê em vários pontos do filme sentado na ponta da poltrona querendo saber o que vai acontecer a seguir (mesmo a maioria dessas coisas sendo previsíveis, como dito anteriormente). Dica: vá assistir esse filme com o cérebro desligado e aproveitar um filme divertido de destruição e sci-fi que não se leva tanto a sério assim. Um prato cheio para os amantes de ficção científica, mesmo com alguns ingredientes duvidosos.


Nota: 4 Acarajés simples e uma água mineral.


Ficha Técnica:


Título Original: Moonfall

Duração: 130 minutos

Ano: 2022

Estreia: 03 de Fevereiro de 2022

Distribuição: Diamond Films

Produção: Centropolis Entertainment, AGC Studios, H Brothers, Huayi Brothers Media, Lionsgate, Street Entertainment, UK Moonfall

Direção: Roland Emmerich

Classificação: 14 anos

Gênero: Ação, Aventura, Ficção Científica

Países de Origem: Reino Unido, China, EUA

Elenco: John Bradley, Patrick Wilson, Halle Berry, Charlie Plummer, Wenwen Yu, Michael Peña, Carolina Bartczak, Zayn Maloney, Eme Ikwuakor, Donald Sutherland.