Crítica – Por Que Você Me Matou?

Qual a diferença entre justiça e vingança?

O documentário lançado dia 14 de abril pela Netflix, mostra a história de uma mãe em luto pela perda de sua única filha, que encontra nas próprias ações o único meio de conseguir justiça.

Por Que Você Me Matou? inicia-se contando a história da família da vítima, Crystal Theobald, narrada pela matriarca da família, Belinda Lane. Ela relata sua busca incansável pelos culpados pelo assassinato de sua filha, e por não ter confiança na eficácia da força policial, Belinda utiliza a rede social My Space para obter todas as pistas necessárias para fazer justiça com as próprias mãos. Para alcançar seu objetivo, ela utilizou um perfil falso, de codinome “Angel”, com a foto de sua filha falecida, porém gerenciado por sua sobrinha que na época tinha apenas 14 anos de idade.


Um fator importante é que, inicialmente, a polícia tinha como alvo para acusação os próprios irmãos de Crystal, o que só aumentou o distanciamento entre Belinda e a polícia, fazendo com que as investigações por parte da família se intensificassem ainda mais.

De acordo com o que foi relatado no documentário, Belinda obteve mais sucesso do que a polícia, com sua própria investigação. E não demorou muito para que ela encontrasse os culpados pelo ataque – a gangue denominada 5051. A partir daí, a sobrinha de Belinda manteve conversas através da rede social com William Sotelo e faz com que ele se envolva emocionalmente com aquela pessoa que nem existe, para assim obter a vingança ou justiça que tanto anseia.



Inicialmente o ritmo da obra é lento, e o telespectador pode até se sentir desmotivado a continuar, porque nos deparamos com um discurso repetitivo e, por mais que nos sintamos comovidos com toda a dor, sofrimento e ódio por parte da narradora e dos outros componentes da família da vítima, não temos acesso a quase nenhuma informação investigativa advinda da polícia, apenas as conversas entre Angel e William, e que propositalmente começam cautelosas para que ele se abra e se torne vulnerável, afinal apenas desse modo Belinda poderia obter as informações que queria. Porém, o documentário toma uma nova forma quando a matriarca descobre que ele era realmente o motorista do carro de onde partiu o disparo que matou Crystal. A partir desse momento, Belinda perde e controle e decide que vai matá-los com as próprias mãos e até coloca seu plano em ação para atrair não só William, mas todos os componentes da gangue 5150 para uma emboscada. Entretanto, assim que seus filhos tomam ciência do que ela está planejando, tudo vai por água abaixo e ela aceitar a desistência do plano e finalmente entrega tudo o que descobriu nas mãos da polícia e para de agir por conta própria.


Ao longo do documentário vamos conhecendo a história de Belinda, e seu comportamento reativo é justificado por sua história de vida, ela sempre viveu em um meio onde violência e uso abusivo de drogas era rotineiro.


Nesse momento é quando o documentário toma um rumo inesperado, e começa a contar a história de vida de William e de seus familiares. O que nos traz uma discussão extremamente importante, de como muitas vezes, viver da maneira que se vive não é uma opção, e que nem todos nós temos escolhas, para muitos a vida do crime é a única porta de saída. Quando nos deparamos com apenas dor, fome, falta de empatia entre outros inúmeros fatores sociais adoecedores, a pior saída pode ser a única viável, e para salvar a própria vida e das pessoas que amamos não pensamos duas vezes para tomá-la.


Um ponto importante é que o próprio documentário deixa claro que em nenhum momento, estão tentando buscar uma justificativa para os atos tomados por William e seus colegas, mas ressaltam a importância de contar a história para fins de conhecimento e explicativos do porque esse homem chegou ao ponto que chegou.


Por fim, somos apresentados aos resultados da investigação policial, e temos o nome do verdadeiro autor dos disparos que tiraram a vida de Crystal, Julio Heredia, mais conhecido como Lil Huero. Recebemos finalmente as informações judiciais de cada componente da gangue 5051 e de como finalmente esse capítulo da família Lane foi encerrado.


Entretanto, o meu relato enquanto espectadora é, que a história poderia ter sido contada de maneira mais sucinta, respeitando todos os acontecimentos, porém o ritmo da obra a faz ser cansativa e muitas vezes nos encontramos num looping entre o tédio e a curiosidade, e é apenas a intenção de obter respostas concretas no final que me manteve presa.


Nota: 2 acarajés

Ficha Técnica:

Nome: Por Que Você Me Matou? (Why Did You Kill Me?) Duração: 83 minutos Ano: 2021 Estreia: 14 de abril de 2021 Distribuidora: Netflix Dirigido por: Fredrick Munk Classificação: 14 anos Gênero: Documentário País de Origem: EUA