Crítica – Trem-Bala

Um trem-bala. 5 assassinos contratados. Muito tiro, porrada e bomba no pacífico Japão moderno.



Do mesmo diretor de Deadpool 2, David Leitch, e com participação do talentoso produtor Antoine Fuqua, Trem-Bala nos traz uma nova visão da conhecida novel MariaBeetle, de Kotaro Isaka, onde vemos o azarado assassino Joaninha (Brad Pitt) aceitando um novo trabalho, mas querendo fazê-lo da maneira mais pacífica possível depois de várias situações “que saíram dos trilhos” recentemente. Porém o destino reservava inúmeros conflitos para essa “convenção de assassinos” formada no trem mais rápido do mundo, no meio do calmo e pacífico Japão moderno.


Apresentações feitas, venho dizer que esse filme é uma montanha russa que não para em momento nenhum, dando sempre algo para o telespectador ter sua atenção capturada e mantendo um ritmo frenético constante. Por um lado, isso torna toda experiência divertida e empolgante, pois a cada personagem que aparece, você vai encontrando mais peças do quebra cabeça que é essa história onde tudo vai se ligando, bem lentamente. Por outro lado, essa característica faz o longa ser consumido sem tanta preocupação (que é a ideia real da produção) e apenas aproveitando o que está na sua tela e depois viver sua vida normalmente sem contemplar o filme por horas ou dias como outras obras fazem. Não é algo tão negativo, mas merece ser pontuado. Os personagens são únicos e divertidos a sua própria maneira: os gêmeos Limão (Brian Tyree Henry) e Tangerina (Aaron Taylor-Johnson) têm cenas muito legais entre eles brigando sobre o Limão, sempre relacionar tudo com o desenho Thomas e seus Amigos, ou suas interações com Joaninha; Príncipe (Joey King) sempre fazendo a linha garotinha indefesa e inocente sendo o completo contrário disso; Maria (Sandra Bullock) tendo suas conversas passivas-agressivas com Joaninha; Lobo (Bad Bunny) e Vespa (Zazie Beetz) aparecendo do nada com suas intenções assassinas e a lista continua. Ainda sobre quem aparece no filme, temos vários cameos durante a película, apenas para adoçar e recompensar o telespectador, como a Karen Fukuhara (Kimiko de The Boys) que aparece no trailer e outros que não vou falar aqui para deixar tudo mais interessante.


A fotografia é bem colorida e variada aqui, mostrando desde tons mais sóbrios e calmos em alguns vagões como outros mais vivos e alegres. Os cenários e montagem também são competentes nesse filme claustrofóbico, sem ser incômodo. Sério, o trem é enorme e diverso demais. A edição também é muito bem feita, com cortes precisos e inserções (mesmo que demasiadas) de flashbacks necessários para a história.


Lembra que eu falei que a história é frenética? Então... Você percebe isso no ato final do filme onde, mesmo com ritmo bem cadenciado, do nada ele é multiplicado pelo menos em umas três vezes e “explode” com tanta coisa acontecendo na sua frente que você mal sabe para o que olhar! Diferente de outro longa desbalanceado que comentamos a pouco tempo atrás – à saber, O Homem do Norte, cuja crítica você lê AQUI – ele simplesmente explode no final depois de manter um bom ritmo durante quase a trama toda, não incomodando tanto mas sendo notável mesmo assim.


Trem-Bala deve ser assistido de mente aberta e como um filme que não se leva muito a sério, com muito humor e violência, enquanto você apenas saboreia o que está acontecendo e, depois de assistir, continua sua vida normalmente. Você ira se divertir horrores desse jeito.


Nota: 4 Acarajés, uma água com gás e uma passagem para um trem-bala.


Ficha Técnica: Nome Original: Bullet Train Gênero: Ação, Suspense (quase nenhum), Comédia, Porradaria Duração: 126 minutos Elenco: Brad Pitt, Joey King, Aaron Taylor-Johnson, Brian Tyree Henry, Andrew Koji, Hiroyuki Sanada, Michael Shannon, Sandra Bullock, Bad Bunny, Zazie Beetz, Logan Lerman Roteiro: Zak Olkewicz, Kotaro Isaka (baseada na novel de) Direção: David Leitch Produção: Antoine Fuqua, 87North, CTB Inc., Hill District Media Países de Origem: Japão, EUA Distribuição: Sony Pictures Releasing International


Com os cumprimentos de David Zuco e os meus, lhes apresentamos mais um conteúdo. Abraços!