Review - Gavião Arqueiro: Então Já É Natal?



Enfim acabou a série (ou só a primeira temporada, vai saber. Não há nada confirmado, nem negado sobre uma segunda) do Gavião Arqueiro, mas quem roubou a cena foi Kate Bishop (Hailee Steinfeld) e ela vai ser a protagonista deste texto, embora ela já seja uma das protagonistas do meu coração. Nada melhor pro clima do que Jingle Bell Rock usando rosa.


Kate junto com Yelena Belova (Florence Pugh) protagonizaram uma cena linda de plano sequência e esse episódio já merece a nota máxima apenas por esse momento. Elas duas deram aulas e palestras neste episódio e parecem ser um símbolo de uma transição muito massa, num paralelo envolvendo a amizade de Clint e Natasha. As possíveis substitutas dessa dupla já aparentam estar desenvolvendo um vínculo massa e que pode ser bem mais trabalhado no futuro.


Enquanto Yelena e Clint Barton (Jeremy Renner) estavam num quebra-pau que terminou com um abraço, Kate lutou de igual pra igual contra o Wilson Fisk, vulgo Rei do Crime (Vincent D'Onofrio e, muito importante, sem CGI) e o grandalhão saiu bem prejudicado nessa. Quem esperava que houvesse um embate entre Barton e o Rei do Crime, viu uma porradaria envolvendo a Kate e deve ter ficado feliz com isso.


Porradaria, amizades, decisões importantes como mandar a mãe pra cadeia na noite de Natal. O fato de Kate ter contribuído para a prisão de Eleanor (Vera Farmiga) é um belo resultado de uma ótima construção de personagem. O instinto de proteção apareceu, mas isso não a impediu de ser pelo coerente, o Pica Pau comunicou a polícia e evitou de muita coisa acontecer.


Beleza que a série focava no Gavião Arqueiro e parecia ser uma passagem de arco imediata, mas a parceria entre ele e Kate aparenta ser bem mais do que uma sucessão. A cena final de todo mundo junto na manhã de natal mostra que veremos muito mais dos dois juntos. Assim espero. Essa série foi muito melhor do que a encomenda e gerou uma baita expectativa para o desenvolvimento de muita gente no audiovisual da Marvel. Só sei que o meu hype tá no teto.


Obs.¹: Falando da situação do Rei do Crime, cabe lembrar que foram dois tiros. Nos quadrinhos, tem um arco que ele fica cegueta, graças a Eco. Pra quem pensa se ele tá morto, complete a frase: Sem corpo...

Obs.²: Inclusive essa cena foi o suficiente para a Marvel dar utilidade para a série da Eco.

Obs.³: 3. David Zuco, José Lucas - que estudou na faculdade José Lucas -, e meu casa Pierre. Aproveito a deixa para dar um salve pro Caio, Wilker, Junior, Pescador, Thierry e ednaldo pereira (não coube todo mundo, mas amo vocês).

Obs. Final: Não contei aqui, mas fiquei a série toda me perguntando de onde era aquela desgraça daquele relógio. Depois de tanto tempo, a Marvel voltar a falar de S.H.I.E.L.D. usando a agente Barton como porta de entrada pode ser um belo gancho pros próximos eventos, à saber se serão nas telonas ou telinhas. Concluo dizendo que a nota do episódio (e da série) é como um relógio daquele ficaria no meu pulso.


Nota: 5 acarajés completos.



Fica. Tem bolo e especulações pós-créditos!


A cena pós-créditos do musical é legal, bacana, bem feita, mas não vou gastar texto falando daquilo. Vou falar de coisas que tem relação com acontecidos no filme do miranha. Se não viu o filme e não quer tomar spoiler, agradeço a leitura e um forte abraço.


A partir de agora, aviso: Você foi avisado!


Maluquice a Marvel trazer o Rei do Crime, pra matar em dois episódios. Com certeza tem coisa aí, provavelmente relacionada a série da Eco. O bom advogado apareceu no filme do miranha na mesma semana que vimos a primeira aparição (por foto) do Wilson Fisk. Por mais que o universo do miranha tenha sido resetado, tudo indica que o Charlie Cox tá inserido no MCU - e aparentemente o Vincent D'Onofrio também - e não foi por mero fan service. A Marvel sempre tem um plano e espero não me frustrar com ele.