Review - Loki: O Evento Nexus



Muita gente diz que às vezes é necessário dar um passo para trás para dar dois passos para frente. A Marvel precisava disso pra entregar o que entregou nesse episódio de Loki? Talvez não, mas isso é a Fórmula Marvel em ação (Sabe Vingadores: Era de Ultron, que todo mundo saiu achando o filme mais ou menos, mas tem total relevância no MCU? Então...). Então, já que fez, vamos dar valor ao produto, que tá muito bom e travou o nintendo de geral.


A série voltou ao seu ritmo. Pouca ação, muita informação e seguiu mantendo o ritmo perfeito. É importante falar de ritmo porque muito do que foi dito e feito no episódio anterior serviu de base (e corpo) para a continuidade da série (desde as informações sobre os poderes da Sylvie e coisas sobre o funcionamento da TVA até a relação entre o - talvez - casal protagonista) e que se tudo isso fosse imposto nesse episódio, ficaria sobrecarregado demais. Foi necessário que desse uma profundidade na relação entre Sylvie e Loki para que, em O Evento Nexus, vários outros personagens ganhassem um tico de profundidade. Um passo para trás, para dar dois (e talvez mais) passos para frente.


Assim como em WandaVision e Capitão América e o Soldado Invernal, a Marvel apresenta quem são os verdadeiros vilões da história na iminência do clímax da série. Ravonna tá atrás da Sylvie desde quando a menina brincava de boneca (e relatava como as Valquírias salvavam Asgard de um Ragnarok. Já falei disso antes aqui). A agente cometeu um erro e parece que sua vida está em função de corrigi-lo... Mas para quem, já que os tão temidos Guardiões do Tempo é tudo um monte de robôs?


Enfim, esse episódio explodiu mentes e tá fazendo todo mundo teorizar um monte de coisa (e com razão). Um roteiro excelente, com atuações excelentes, incluindo a do Owen Wilson (mostrando que é capaz de interpretar bem outros papéis, quando não interpreta a si mesmo), mantendo uma ótima química com o protagonista, que também mantém uma química maravilhosa com a Sophia Di Martino. A série tá chegando ao seu final e conseguiu estabelecer um hype altíssimo para o seu clímax, com Tom Hiddleston brilhando e, agora com as diversas variações de Loki.


Obs¹: "Prendemos Krees, Titãs e Vampiros". E é assim que a Marvel insere o Blade no MCU. A Fórmula Marvel é maravilhosa e nunca duvidem do potencial dela.

Obs²: Você talvez se pergunte: "A foto acima não está no episódio. Por que zorra, Zuquinho colocou esse frame do trailer, com a Torre Stark destruída?". É pra ver se tem gente que enxerga melhor. A Torre Stark aparece nos pós-créditos e quase ninguém viu. A cena acima deve ser do próximo episódio, mas o povo preferiu teorizar que Os Jovens Vingadores vem aí™. Obs³: Torcedores Calma... Mas arrisco dizer que o quarto episódio de Loki só perde pro último de Capitão América e o Soldado Invernal. A sensação de que vem coisa melhor muito me anima (e muito me amedronta).

Obs. Final: If You Love Me - Brenda Lee é a canção da vez. Uma linda música de amor, que tem a nota do episódio.


Nota: 5 acarajés