Review - Loki: Glorioso Propósito

Atualizado: 16 de jun. de 2021



Sobre a estreia de Loki, duas palavras: Tom Hiddleston! Ele que foi, por muito tempo, a exceção à regra de que a Marvel não tinha bons vilões e fez o personagem ser querido por todos, embora o que ele tenha feito no MCU - até o primeiro Vingadores, pelo menos - não fizesse jus a isso, e ele é o cara que deve carregar a série nas costas.


A série começa com aquela cena de Vingadores: Ultimato, onde ele apanha o Tesseract e dá um perdido, quebrando a linha do espaço-tempo, pra remeter que o Loki que vimos no começo é aquele Loki raiz, Loki toco y me voy... Mas durante o episódio, nós - e o próprio Loki - vemos o que tornou aquele Loki que, aí sim, nós amamos (aquele que é querido pelo Thor e, infelizmente, é morto pelo Thanos. Inclusive assisti-lo vendo esse momento e a morte da sua mãe foi de doer o coração).


Além do Loki, fomos apresentados a TVA (Autoridade de Variação Temporal), uma instituição que tenta evitar, desde o futuro (sim. Você leu certo), grandes alterações na linha temporal e evita que multiversos surjam. A Marvel ter estampado o termo "Multiverso" na sua cara logo no começo é importante porque, caso não saiba, Loki está em um. Para consertar tudo isso, o Agente Mobius (favor não confundir com Morbius, do núcleo do Homem-Aranha) pede ajuda ao Loki para tal, até porque parece que o Loki fez mais travessuras do que pensávamos, como o personagem interpretado pelo Owen Wilson (que faz uma dobradinha legal com Tom Hiddleston) revela no final do episódio.


O primeiro episódio tem vários alívios cômicos e pouquíssima ação e creio que a série deva ser nesse ritmo, mas teve o tom e ritmo perfeitos. Ter o roteirista de Rick and Morty como showrunner vai ser fantástico, pois é um cara que sabe trabalhar muito bem sobre essa doideira de viagem no espaço-tempo e evitar que o espectador fique perdido. Vale destacar os efeitos especiais, efeitos visuais, direção de arte e figurino que seguiram o padrão Marvel.

E, pra finalizar, eu poderia falar "protagonista", "personagem principal", "meio-irmão do Thor", entre outros adjetivos, mas me referi ao Loki pelo nome todas as vezes, pois ele rouba a cena, deve roubar a cena durante toda a série e repito o que se resume esse episódio: Tom Hiddleston!


Obs¹.: Existe sim um Agente Mobius nos quadrinhos, mas o símbolo do infinito (presente no ombro, ou no pulso, de 9 entre 10 pessoas tatuadas) existe graças a fita de A.F. Mobius. Como Bacharel em Ciência e Tecnologia, achei essa curiosidade pertinente.

Obs².: A Miss Minute (aquele reloginho no vídeo) aparecer junto com os Guardiões do Tempo, do jeito dos quadrinhos foi um belíssimo easter egg.

Obs³.: Na gaveta que tem as joias do infinito, faltou a joia da alma. Essa só em Vormir, pois "uma alma pela outra".

Última Obs.: Torcedores calma, mas arrisco dizer que Loki foi quem teve o melhor episódio de estreia das séries do MCU. Pelo menos é a que vai levar a maior nota.


Nota: 5 acarajés.